Como está sua flexibilidade mental no home office?

Bem, eu não sei vocês, mas, para mim, o conceito de flexibilidade no home office durante toda a pandemia deu um 180°. Claro que, neste momento que estamos vivendo, nos sentimos mais à vontade na hora de escolher as roupas, tomar um café com calma sem pressa de sair de casa ou receio de pegar engarrafamento.

Durante muito tempo, principalmente em países emergentes, o conceito de home office foi visto com preconceito pela maior parte da população e tratado como algo futurista e distante. Chefes alegavam que não haveria como controlar a jornada do empregado ou que, talvez, ele perdesse o vínculo com a empresa por realizar os trabalhos em horários alternativos.

O ponto de reflexão que busco ao me referir à flexibilidade mental (adaptar sua mente a não entrar em um ciclo de autocobrança insalubre) é intrínseco à gestão do tempo.

A pandemia, o home office, as reuniões virtuais já não são mais o "desconhecido", o impenetrável. O perfeitamente adaptável. Isso já superamos, por assim dizer.

Quantas vezes você já não se pegou pendurando roupa com o celular no viva-voz durante a call? E o interfone tocando porque seu almoço chegou às 16:45h no momento daquela videoconferência com a diretoria? Vai dizer que você já não esteve alimentando seu pipeline de vendas olhando para a pia com 3 copos e uma faca de manteiga sujos? Dias atrás eu tinha alguns dados de clientes anotados em minha agenda e, ao lado, uma lista: sabão, amaciante, guardanapo, Pinho Sol, cloro...

Alguns leitores devem estar pensando que sou tremendamente desorganizada e que as mulheres conseguem SIM fazer ioga, bater um suco verde, tirar o lixo, tomar banho e estar "pronta" até às 07:30h para mais um dia de batalha. Bom, até conseguem, mas, a sanidade a curto prazo ficará em frangalhos. A cobrança excessiva de si mesma vai fazer com que, em dado momento, você falhe. Mentalmente ou fisicamente. Sem falar no quanto seu rendimento e foco cairão drasticamente nas atividades essenciais que precisa executar.

E aí é importante que você pense em tomar algumas medidas para gerenciar sem tempo e administrar sua vida.

Abaixo, listo algumas dicas para isso:

1)        Planeje o seu dia ou semana com antecedência e crie espaços na sua casa separando o ambiente de trabalho do ambiente doméstico;

2)        Explique à família que não é porque você está em casa que não está trabalhando. Existe uma linha tênue separando atividades pessoais das profissionais. Não deixe que ela se rompa;

3)        Tenha um planner! Você encontra modelos super versáteis na internet e pode organizar sua semana colocando afazeres pessoais e profissionais (dica: mude as cores da caneta por segmento);

4)        Faça pequenas pausas. Se estique! Tome um café. Elas são importantes para oxigenar nosso cérebro;

5)        Tente manter uma rotina de exercícios físicos, alimentação em horários regulares e horas de sono. Você irá notar a diferença;

6)    Evite as multitarefas. Elas tiram nosso foco, não são produtivas e atrapalham o gerenciamento do nosso tempo;

7)        Cuide de sua saúde mental, física e espiritual.

 

Pense que essa rotina de se organizar é uma atividade como outra qualquer. E como tudo que é novo, o que começamos, às vezes, demoramos para compreender e conseguir fazer efetivamente. Mas, a prática e a constância nos ensinam a aprimorá-las e adaptá-las ao nosso dia-a-dia. E aí, chega o momento em que fazemos tão bem que já nem percebemos mais.

O seu corpo e a sua alma são, respectivamente, seu templo e seu guia. Zele por eles.


Jaíne Lima

Jaíne Lima

Há 11 anos no mercado segurador, é Executiva de Negócios com foco em desenvolvimento de clientes e fomento de carteira no estado de Santa Catarina. Graduada em administração com especialização em marketing, pós-graduada em Compliance e Governança Corporativa pela PUC-SC, possui certificação CAPM®/ (PMI), extensão em Strategy & Sustainability pela IESE España e é membro da ANPPD® (Associação Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados).