Entrevista realizada com Márcia Sá

1) Como foi a sua trajetória profissional?

 

Iniciei aos 17 anos  minha história profissional trabalhando no Banco Nacional (hoje Itaú Unibanco). Passado algum tempo fui para uma entidade de classe (Abrava/Sindratar) devido a uma proposta melhor e em pouco tempo me tornei secretária. Em paralelo estudava a noite e fiz curso Técnico em Secretariado na FECAP - Fundação Alvares Penteado, na Liberdade. Acabei migrando para uma Editora, onde já era secretária executiva e me encantei pela área editorial , já que desde os 8 anos escrevia poesias, textos e me destacava na escola, por estas aptidões.

Prestei vestibular em duas instituições Cásper Líbero e FIAM, fui aprovada nas duas, mas optei pela FIAM, ser muito próxima de minha residência no Butantã. Em paralelo eu atuava como Secretária e na mesma empresa, onde também estagiária de uma Assessoria de Imprensa, pois eles tinham um boletim informativo e eu colaborava com o jornalista. Isto foi em 1988. 

Me formei, mas continuava como secretária, pois meu rendimento era superior ao piso salarial dos jornalistas, não dava coragem de abrir mão da minha profissão exercida durante 9 anos, para iniciar do zero.

Só em 1993, casada e morando na Grande São Paulo, iniciei em jornais regionais e também a atuar na área comercial dos mesmos. Até surgirem os sites, onde tive convites para ser colunista em dois diferentes veículos, escrevendo artigos, crônicas e assuntos do cotidiano. Participei de 3  Antologias entre elas "Nós Mulheres", pela Editora Oficina do Livro, 2012 "8 de Maio", 2014 pela mesma editora, e uma Antologia Poética, 2016,  pelo grupo Itapoesia, todos como coautora. 

Fiz pós em 2008, em Didática para o Ensino Superior, mas não segui a área acadêmica. Lecionei um período curto, na rede estadual, em paralelo com o jornalismo, mas me decepcionei com as condições da educação pública e abandonei.

Durante 2 anos, 2014 / 2016 fui relações públicas de uma Corretora de Seguros, Godoi Seguros, que tem 25 anos de mercado e extremamente conhecida na região onde morei.

Com a separação, venda da chácara, voltei para São Paulo,  e conheci   André Pena meu atual marido e estou atuando Revista Insurance Corp. 

Amei o formato da revista e o projeto apresentado. Foi um casamento duplo! Entrei em um mundo totalmente atípico, mesmo tendo atuado em uma corretora de seguros, havia uma dinâmica diferente.

Entrei  com tudo, e em dois anos, me dedico com empenho à revista, respondo pelo  site, elaboro textos, ajudo nas Mídias Sociais e cada dia que passa estou mais envolvida neste universo editorial. Participei da elaboração de duas biografias,  a primeira do profissional   Osmar Bertacini,  "A lenda do Mercado de Seguros", onde elaborei o projeto e entrevistei o executivo durante meses, que infelizmente nos deixou, antes da obra estar finalizada. Agora terminei a colaboração na História do Clube dos Corretores de São Paulo que está em fase de finalização e fiz  alguns ajustes e revisão. Fiz vários cursos como Marketing Digital, Mídias Sociais nestes dois anos e  estou aguardando começar meu MBA, em Marketing Estratégico na ENS, para cada dia, me especializar neste setor grandioso.

Estou amando, conhecer pessoas e principalmente mulheres que se destacam em um meio tão masculino. É um desafio diário!

Nestes 37 anos de experiência profissional, eu aprendi muito a me conhecer. Perceber que preciso desenvolver meu lado criativo, sensível e atuar sempre com comunicação. Temos habilidades inatas, que por mais que  saímos da rota, não temos como fugir de nossa essência e dom. Só atuando naquilo que temos paixão,  vamos obter sucesso e principalmente nos sentirmos realizadas. Contribuindo para um mundo melhor.

 

2) O que você faz para se posicionar no mercado em condições de igualdade com os homens do mercado?

 

Bem na área de Imprensa, eu observo as mulheres predominarem. São  editoras, assessoras de Imprensa, CEOs de Revistas, jornalistas e redatoras. Então no meu segmento  atual, imprensa especializada eu nunca me senti, digamos em desvantagem. Não tenho como me posicionar perante esta questão. Me sinto muito semelhante aos colegas do setor.

 

3) Quais as dicas para as mulheres que querem entrar no setor?

 

Como em todas áreas profissionais acho fundamental o conhecimento. Estudar muito, estar sempre buscando se atualizar, ler, interagir, transitar no mercado sempre!

Só assim a profissional será conhecida e terá reconhecimento, gerando oportunidades. Com a tecnologia a informação muda constantemente e senão buscarmos estar "antenadas", ficamos para trás. Oriento sempre estudarem, estudarem e estudarem. Nunca parar...

 

4) Como está sendo o desafio de voltar ao jornalismo no mercado de seguros?

 

É um desafio e tanto. Mas aprendi há muito tempo, que quando queremos muito algo, "o mundo conspira para sua realização". Mas eu tenho que fazer a lição de casa, não é? Desde o início fui em muitos eventos, conheci pessoas, observei como funcionam as relações da imprensa, com seguradoras, corretores,  resseguradoras, entidades e assessorias. O network é fundamental neste mercado tão dinâmico e desafiador.

Estou amando, cada desafio e meta alcançada, eu dobro a meta! Acredito que tenho muito que aprender, mas estou disposta a cada dia mais, conhecer tudo sobre o assunto.


Márcia Motta

Márcia Motta

Jornalista e sócia da Revista Insurance Corp voltada, experiência de 28 anos, formada pela FMU-FIAM, pós graduada em Didática do Ensino Superior, pela UNASP, Cursos na Impacta de Marketing Digital e Mídias Sociais em 2018 e em 2020 Marketing Digital no Senac; Inscrita no MBA Gestão de Seguros na Escola de Negócios e Seguros, que inicia em setembro de 2020; Curso Inglês com professora particular; Coautora dos Livros: Nós Mulheres 2013, editora Oficina do Livro, 8 de Março, 2014, editora Oficina do Livro, Antologia Poética, 2015