O valor da IGUALDADE em nossa trajetória profissional

O substantivo EQUIDADE talvez nunca tenha sido tão referendado. 


Estando DIVERSIDADE e INCLUSÃO cada vez mais presente nas pautas das empresas e nas vidas das pessoas, é constante a busca de todos por tratamento justo, independentemente de gênero, cor, etnia, idade ou religião. E sim, estamos falando muito mais que IGUALDADE. Estamos falando que pessoas diferentes, para que possam ter as mesmas oportunidades, precisam ser olhadas e tratadas de formas diferentes.

Estamos falando de EQUIDADE. E faz todo sentido nesse contexto.


Entretanto, quando nos voltamos para a nossa trajetória profissional construída ao longo de alguns (ou muitos) anos, talvez possamos identificar, mesmo que de forma muito subliminar, que o nosso sentimento de pertencimento, de valorização enquanto profissionais, foram muito bem representados pelo conceito da IGUALDADE. 


IGUALDADE quando resgatamos o início das nossas carreiras, naquele momento com nossa ainda tão não expressiva experiência profissional e, muitas vezes, com tão pouca bagagem técnica a oferecer. POR OUTRO LADO, e inversamente proporcional, trazíamos conosco uma energia ímpar, uma incansável busca pelo conhecimento que nos impulsionava a evoluir, produzir e entregar o nosso melhor, incansavelmente. Por dias seguidos.


Conceito de IGUALDADE quando, já com experiência profissional relevante para compartilhar, nós enquanto mães, esposas, filhas e irmãs, muitas vezes tivemos que nos voltar para a nossa vida pessoal. Darmos foco e prioridade ao que de fato nos deveria ser sempre foco e prioridade: aos nossos filhos e a nossa família.

Como CONTRAPONTO, e já tendo adquirindo a maturidade resultante de quem vivenciou momentos importantes na vida pessoal, conseguíamos enfrentar desafios profissionais com empatia, parcimônia e inteligência emocional que talvez nem todos os nossos colegas mais jovens, e extremamente dedicados as suas vidas profissionais, ainda não podiam oferecer. Talvez com menos tempo, mas certamente fomos capazes de IGUALMENTE contribuir.


IGUALDADE pelo simples fato de sermos mulheres. Por olharmos o mundo corporativo por um prisma diferente dos nossos colegas homens. Diferente fotografia, mas que nos proporciona uma análise que IGUALMENTE contribui para trazer novas ideias, novos pontos de vistas, alcançar grandes conquistas e resultados, e formar times extraordinários nas empresas.


IGUALDADE quando, mesmo pertencendo a uma geração mais madura, somos capazes de identificar onde podemos agregar com nossa vasta experiência e maturidade, mas também onde ainda podemos continuar aprendendo diante do vasto mundo corporativo. E diante da vida. IGUALDADE talvez seja uma das palavras que melhor defina a busca constante pelo conhecimento. Não importa em que momento de vida, em que posição dentro da empresa, em que equipe, em que segmento. A busca pelo conhecimento é (ou deveria ser) de IGUAL constância e intensidade durante toda nossa vida. Novas informações surgem o tempo todo, e nunca será cedo e muito menos tarde para sairmos em busca de mais conhecimento. 


O valor do que a EQUIDADE representa na sociedade atual é imensurável e indiscutível. 
Por outro lado, em nossa trajetória profissional, o que pode nos proporcionar o verdadeiro sentimento de reconhecimento do nosso potencial, da nossa dedicação, não necessariamente será um olhar ou um tratamento diferente por sermos, ou estarmos, em um momento diferente dos demais.


Nesse contexto, o olhar através da IGUALDADE representará, muitas vezes, o que estamos buscando.


Roberta Porcel

Roberta Porcel

Graduada em Ciência da Computação e Ciências Atuariais pela PUC/SP, com MBA em Gestão Atuarial e Financeira pela FIPECAFI – USP/SP, Roberta Porcel é Atuária certificada e membro do Instituto Brasileiro de Atuária – IBA. No mercado de Previdência Complementar e riscos atuariais desde 1994, possui mais de 26 anos de experiência atuando nas principais Consultorias Internacionais de Benefícios do Brasil.