Instabilidade na economia mundial afeta exportações brasileiras

A desaceleração da economia internacional e o marasmo da atividade local estão afetando o ritmo de venda e compra de produtos do Brasil. Neste ano, entre janeiro e agosto, a corrente de comércio do país somou US$ 265,7 bilhões e está quase 5% menor do que o observado no mesmo período de 2018.

Resultado da soma das exportações e importações, a corrente de comércio é considerada um importante termômetro da atividade econômica.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, adiantou os próximos passos que o governo vai dar na direção de uma nova política fiscal e uma nova federação.

A próxima proposta de emenda à Constituição (PEC), depois da reforma da Previdência, será a do pacto federativo que ocorrerar ainda nesse semestre. "Estamos mexendo em tudo ao mesmo tempo. É uma transformação sistêmica", explicou o ministro. Durante a campanha, ele disse que o gasto com juros da dívida seria a segunda grande despesa a ser atacada.

A economia do Japão cresceu em um ritmo mais lento do que o inicialmente estimado no segundo trimestre, depois que a disputa comercial entre Estados Unidos e China provocou uma revisão para baixo nos gastos empresariais, intensificando as solicitações de aumento de estímulo ao banco central neste mês.