09/11/2018 - CNC     Twitter  Facebook  Google+  LinkedIn

O Ministério do Trabalho anunciou o recolhimento de R$ 4,1 bilhões durante fiscalizações feitas nos três primeiros trimestres contra a sonegação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) por parte das empresas, ou seja, dinheiro que não foi pago aos trabalhadores.

O resultado é 19% maior na comparação com o mesmo período de 2017 e 53% superior aos primeiros nove meses de 2016.

As autuações foram realizadas pela Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT). No 1º semestre, o Ministério do Trabalho anunciou o recolhimento de R$ 2,4 bilhões durante fiscalizações.

O FGTS deve ser depositado pelo empregador até o dia 7 de cada mês em conta bancária vinculada, o equivalente a 8% da remuneração do trabalhador. Para os contratos de trabalho de aprendizes, o percentual é de 2%. No caso de trabalhador doméstico, o recolhimento é correspondente a 11,2% - 8% a título de depósito mensal e 3,2% de antecipação do recolhimento rescisório. 

Segundo o auditor fiscal do Trabalho Jefferson de Morais Toledo, a SIT está realizando esforços para a modernização dos sistemas informatizados de fiscalização e capacitação dos auditores, e isso se refletiu positivamente nos resultados.








23/01/2019 - G1
Mercado de ações perdeu R$ 11,5 bilhões em capital externo
 mais...
23/01/2019 - G1
Após 3 anos de demissões, Brasil cria 529 mil empregos formais em 2018
 mais...
23/01/2019 - CNC
Número de redes de franquias voltou a crescer
 mais...
23/01/2019 - CNC
Jovens dos países em desenvolvimento enfrentam ambiente perverso
 mais...
Página Inicial  .:.   Informações de Publicidade  .:.   Patrocinadores  .:.   Entre em Contato  .:.   Twitter  Facebook  Google+  LinkedIn
© 2004 - 2019 - AMMS - Associação das Mulheres do Mercado de Seguros
Tecnologia EBTI